Saiba como calcular a taxa de esforço

Provavelmente já se questionou porque é que quando vai pedir um crédito ou algum tipo de apoio às instituições financeiras onde se dirige pedem-lhe inúmeros documentos como é o caso dos comprovativos de IRS e recibos de vencimento quando solicita um financiamento. Pois bem, taxa de esforço, é a resposta. pois é a deste indicador que os bancos conseguem decidir se concedem, ou não, o crédito em questão.

Mas afinal o que é a taxa de esforço? É um indicador económico que indica qual a percentagem dos rendimentos  familiares é destinado ao pagamento de créditos. Podemos definir também a taxa de esforço como a medida de análise do risco de crédito que irá relacionar o valor da prestação bancária com os rendimentos provenientes do agregado familiar.

(Nota: caso não tenha um crédito habitação mas se pagar mensalmente uma renda, esse valor deverá constar no total de prestações financeiras sendo assim considerado como um crédito)

 

taxa-de-esforço

COMO CALCULAR A TAXA DE ESFORÇO

Para calcular a taxa de esforço devemos utilizar a seguinte fórmula:

% Taxa de esforço = Total de Prestações Financeiras / Rendimento do Agregado Familiar) * 100

Assim, a taxa de esforço considera somente a parcela dos seus rendimentos que é destinada ao pagamento das prestações bancárias de crédito (como, por exemplo, cartão de crédito, crédito pessoal, crédito automóvel ou crédito à habitação), ou seja, não são consideradas para o cálculo da taxa de esforço as despesas mensais referentes a eletricidade, água, gás e telecomunicações.

Contudo, mesmo que não tenha um crédito à habitação, mas esteja a pagar mensalmente uma renda (por uma casa arrendada), este montante deverá ser incluído nas despesas com encargos financeiros.

Por outro lado, se receber juros de investimentos, esse montante deve ser considerado como um rendimento (divididos pelo número de meses, correspondendo esse o valor a aplicar mensalmente no cálculo da taxa de esforço).

Refira-se ainda que para quem é casado, o rendimento total é a soma dos rendimentos de ambos os membros do casal, ou seja, o rendimento do agregado familiar.

COMO INTERPRETAR OS RESULTADOS

Na tabela seguinte poderá verificar como pode interpretar os resultados obtidos provenientes da formula acima.

Taxa de esforçoEstadoRecomendações
> 40%Muito elevadoDeve pedir crédito consolidado
 = 40%ElevadaDeve pedir crédito consolidado
> 30 % e < 40%IdealPode pedir crédito pessoal
 =30%Ideal máximaPode pedir crédito pessoal

 

De forma bastante resumida a sua taxa de esforço ideal nunca deverá ser superior aos 40%, contudo para muitas financeiras 30% é o ideal para empréstimos. E como sabemos existem várias famílias que devido às condições económicas e ordenados que auferem, têm taxas de esforço bastante consideráveis, e que não sabem como resolver a situação. Como exemplificado na tabela acima se os resultados obtidos forem iguais ou superiores a 40%, a solução mais acertada será pedir um crédito consolidado pois assim conseguirá baixar a taxa de esforço.

 

PORQUÊ CALCULAR A TAXA DE ESFORÇO? QUAL A IMPORTÂNCIA DE O FAZER?

Como referido, calcular a taxa de esforço permite perceber a capacidade de um agregado familiar cumprir com a responsabilidade assumida com um empréstimo. Se a percentagem da taxa de esforço for muito alta, significa que o risco de incumprimento é alto. É, portanto, uma informação fulcral para a aprovação, ou não, de um crédito.

Regra geral, recomenda-se que a taxa de esforço não ultrapasse os 30%. Isto para novos créditos.

No entanto, concretamente no crédito à habitação – considerando que se trata de um empréstimo de valores avultados –, muitos bancos colocam um limite máximo de 40% na taxa de esforço, para que o crédito seja concedido. Acima dos 40%, considera-se uma taxa de esforço elevada (ou muito elevada), recomendando-se que o agregado recorre ao crédito consolidado.

O cálculo da taxa de esforço é também importante para o agregado perceber (após o cumprimento das obrigações mensais com créditos) qual a parcela do seu rendimento disponível para fazer face às despesas do dia a dia (como, por exemplo, alimentação, educação, lazer, transportes ou vestuário).

 

PRECISA DE UM CRÉDITO MAS TEM UMA ELEVADA TAXA DE ESFORÇO?

Se precisa de ter o crédito pessoal mais barato mas tem uma elevada taxa de esforço, deverá procurar reduzir os seus custos, tendo em atenção especialmente reduzir o valor das prestações com créditos. Ou poderá também optar por um crédito consolidado

Submeter um pedido de crédito consolidado e com isto obter poupanças ainda ainda mais expressivas ajudará a baixar a taxa de esforço. O importante é fazer o processo de forma ponderada e procurando toda a informação disponível.

Cristiano Lucas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.